Imagem promocional de Ghost of Tsushima
Divulgação

Ghost of Tsushima pode ter sido o grande e único jogo de samurai a dizer que foi realmente um jogo de samurai nos consoles. Temos alguns a serem lembrados, obviamente, mas nenhum trouxe esse resgate da cultura oriental de forma tão única e magistral. O jogo basicamente é de mundo aberto, estilo The Witcher, Horizon, e etc, apresentando side quests como todo jogo nesse estilo. Entretanto, ele faz isso de uma forma curiosa: forçando você a conhecer mais a ilha de Tsushima.

Jin Sakai não é apenas um guerreiro a lutar por sua ilha, quando novo vê seu pai ser morto com a armadura do fantasma de Tsushima enquanto batalhava em uma guerra incansável contra os Mongóis. Ele então passa a ser criado pelo seu tio, com quem aprende os valores de um grande samurai: dar valor a vida, ser sempre paciente e ter HONRA. Essa última é a palavra chave do jogo.

Mas como Jin nesse momento do jogo tem que resgatar seu tio que foi capturado pelo líder Mongol e preso em um dos castelos da ilha, ele deve recrutar guerreiros locais pra lhe ajudar a recuperar Tsushima das mãos dos mongóis e resgatar seu tio. Parece algo clichê e bobo no início, mas a jornada pessoal do protagonista cresce ao longo do tempo que se vai jogando.

O Gameplay de Ghost of Tsushima

O modo de batalha de Ghost of Tsushima é um ponto que pode sim ser avaliado de forma bem separada, e chega a ser um pouco travado no início, justamente enquanto somos inexperientes. Contudo, com a evolução tudo vai ficando cada vez mais interessante ao ponto de que em Ghost of Tsushima parece que você é realmente um Samurai. Você tem o tempo o tempo de sacar a sua espada quando vê um grupo de Mongóis na ilha, tendo ainda a opção de criar duelos neste caso. E acredite, essas situações são realistas ao extremo, apresentando até mesmo o tempo exato de executar o golpe fatal.

Em meio a batalhas contra os mongóis você encontra campos de ocupação dos mesmos, e entrar lá pode ser decisivo para os seus pontos de Habilidades usados para sua evolução. A árvore de habilidades é bem dividida para o samurai, tendo 4 estilos de posições que podem ser desbloqueadas enquanto se vai matando líderes desses campos. Não existem nenhum Boss complicado, mas você tem a opção de ser furtivo ou explosivo e sair matando todo mundo nesses campos.

Ao longo do jogo você resgata as memórias do Jin, de aprendizado que teve com seus familiares, e isto vai fazendo o jogo se tornar ainda mais forte e atraente por conta do seu envolvimento com a cultura Japonesa. Além disso, todo o conteúdo é bem estruturado com ligações envolvendo a família e os valores passados ao protagonista de Ghost Of Tsushima. E como todo guerreiro lendário, ele leva isso ao pé da letra.

Além disso, você também volta pra conhecer familiares, amigos, e membros de outros clãs, sempre com o objetivo desbloquear armaduras e habilidades. E são com estas armaduras que você vai equipando, desbloqueando itens, e evoluindo a trama do jogo. A principal do Ghost ela é facilmente conquistada depois de resgatar seu Tio. Ainda assim, existem outras opções bem interessantes ao longo da história que fará com que cada jogador ou jogadora escolha uma vestimenta própria.

Enquanto o sistema de batalha pode ser um pouco rígido, e eu gostaria de mais variedades e profundidade nos inimigos, Ghost of Tsushima ainda é um jogo incrível em termos de jogabilidade, e muito disso se deve principalmente aos detalhes apresentados envolvendo as movimentações dos samurais. Além disso, com um mundo ocupado e animado, que é a maior atração do jogo, cada missão e lugar parecem importantes e interessantes.

Imagem promocional de gameplay Ghost of Tsushima
Divulgação

A evolução de sentimentos com Ghost of Tsushima

De início as cutscenes parecem não ser tão polidas depois de termos visto um The last of Us Parte II que é palpável em TUDO, mas em Ghost of Tsushima o mais importante não é apenas o visual das cutscenes. Na verdade, o realismo e os sentimentos pelo jogo vão sendo passados para o usuário enquanto cavalga pelos campos, com o visual do jogo se mostrando incrivelmente lindo. Bem colorido e cheio de formas, o jogo foi bem tratado nesse aspecto. Ele pode não ser palpável nas cutscenes, mas assume este aspecto no seu melhor momento: a gameplay.

Pra quem é amante do modo foto nos jogos, este com certeza será um deleite. No meu caso, passei horas editando uma foto pra poder salvar. Além disso, você tem várias opções de edição de sua foto que destaca ainda mais o visual de Ghost of Tsushima, que foi muito bem polido pela Sucker Punch nesse ponto.

A ilha é extremamente animada. Você tem pontos de repouso em que você reflete sobre a vida, sua família, sobre você, sobre quase tudo, e isso desbloqueia bandanas que podem ser usadas e adicionadas ao seu visual. É um jogo profundo nesse aspecto. Tudo parece ter um sentido na jornada de Jin Sakai.

A história de Ghost of Tsushima

Para o estilo de jogo que foi prometido, talvez este seja o elo mais fraco. Não na trama em si, mas pelo fato de que poderia ser esperado uma profundidade maior dos inimigos levando em consideração tudo o que está acontecendo. Apesar de não ser um jogo que tenha muitos personagens tão cativantes, você se apega a Jin de forma fácil porque é um bom samurai que não quer de forma alguma deixar que a ilha seja tomada pelos Mongóis.

Talvez o problema aqui seja que os personagens são entregues de bandeja pra você, além do fato de que toda a trama é facilmente descoberta. Ou seja, sem mudanças grandiosas, aqui é tudo muito preto no branco. Até existe o seu plot no meio/início do jogo, mas nada que seja “UAU”. Contudo, o que mais te motiva a continuar jogando é sim o que gira ao redor do Jin e a motivação dele de ser como o seu grande Pai.

Ghost of Tsushima para mim foi o melhor jogo de samurai, que veio para “fechar” a geração em grande estilo, é um resgate ao estilo Kurosawa mesmo cheio de batalhas e reviravoltas. Além disso, ele é rico em detalhes, beleza e Honra. Se tornar um samurai nunca foi tão prazeroso e detalhista como na história de Jin Sakai.

Ghost of Tsushima será lançado para Playstation 4 em 17 de julho de 2020.

*Review elaborado usando a versão de PS4 do jogo. Cópia fornecida pela desenvolvedora.

Não deixe de acompanhar todas as notícias diárias sobre filmes, séries e games do Jornada GeekAproveite também para curtir a nossa página no facebook, além de nos seguir no twitter e instagram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here