FIFA 19 | Em busca de melhorias

Título evoluiu em relação ao antecessor, mas ainda apresenta falhas

publicidade:

EA Sports FIFA é a franquia de futebol que mais vende no mundo. E isso carrega uma enorme responsabilidade para a desenvolvedora, Electronic Arts. O mais novo lançamento, FIFA 19, chega com uma responsabilidade ainda maior, principalmente após as críticas feitas por parte da comunidade em FIFA 18. Em nossa review, apontamos que o jogo teve problemas na jogabilidade e afastou alguns jogadores.

Logo, FIFA 19 tinha uma enorme responsabilidade. Além de corrigir essas falhas, também buscava inovar, trazendo algo inédito para os jogadores. E como será que o título se saiu? É hora de entrar em campo com mais uma crítica do Jornada Geek!

Novidades de sobra

Ao começar a falar de FIFA 19, preciso destacar que essa é a versão do jogo que mais inovou nos últimos anos. Para começar, temos o retorno da UEFA Champions League e da UEFA Europa League de forma oficial, com licenças, identidade visual, clubes participantes e tudo mais que temos direito. Isso, em um cenário mundial, é de suma importância, afinal, falamos da principal competições de clubes do mundo.

Somada ao licenciamento, o título também trouxe um novo modo Kick-Off, ou “Partida Rápida”, como é conhecido na versão traduzida no Brasil. Ele se destaca por oferecer modos divertidos, que variam desde um battle royale, em que o time que marca um gol perde um jogador, até modos onde só vale fazer gol de dentro da área, de cabeça, de voleio, ou sem regra alguma, valendo gols impedidos e carrinhos para todo lado.

FIFA 19
Foto: Divulgação

Em campo, a bola quadrada

FIFA 19 melhorou em vários aspectos em relação ao FIFA 18, isso é inegável. Com as adições das táticas dinâmicas, temos mais controle do que nunca em relação à sua equipe, podendo realmente definir o resultado de uma partida se você adaptar o seu time para aquela função. Também tamos uma ambientação mais próxima da realidade, seja com a participação da torcida antes e durante os jogos, ou nos próprios uniformes e rostos dos jogadores.

Mas a bola parece quadrada em FIFA 19. E embora seja uma força de expressão, esse é o sentimento. Finalizar e passar pode ser uma tarefa árdua com o novo sistema adotado pela empresa, principalmente porque nada é tão simples como parece. Mesmo com todos os treinos oferecidos durante a conclusão do modo A Jornada, por exemplo, continuei sem dominá-lo.

FIFA 19 - Neymar
Neymar é uma das estrelas de FIFA 19 (Foto: Divulgação)

Esse sistema consiste basicamente em apertar ou segurar os botões de chute/finalização no momento correto, o Timed Finishing. De forma similar ao implantado na franquia NBA 2K, os jogadores veem um ícone em cima do jogador fica com um vermelho ao redor, que vai preenchendo a medida que você segura em bolas aéreas em geral. É demorado para acostumar e esse talvez tenha sido o método que a EA encontrou para ir contra a grande quantidade de gols originados dessa forma nos últimos títulos da franquia.

Ainda no gameplay, você vai notar uma dificuldade maior para dominar a bola. Com a inclusão do Active Touch, os jogadores agora erram mais, principalmente quando a marcação está próxima. O velho hábito de dominar a bola com o botão de corrida pressionado é bom ser perdido desde já, afinal, é cara adiantada que é dada, que é difícil manter a bola próxima do jogador.

Sem mudanças

No cenário de “galinha dos ovos de ouro”, a EA optou por seguir sem grandes novidades. O Ultimate Team e o Pro Clubs, cenários competitivos de FIFA 19, os jogadores vão notar poucas mudanças em relação ao antecessor. Talvez um sistema de maior justiça no Pro Clubs, com um handicap (sim, EA, ele existe por mais que você diga que não!) menos incisivo em relação aos anos anteriores, mas de forma geral, temos o mesmo game. Faz falta a GameFace, tirada algumas edições atrás sem justificativa, e que ainda não voltou ao modo.

A narração de Thiago Leifert e Caio Ribeiro, por mais que tenha novas frases, está batida e cansa. O Brasil, é bom lembrar, é o único país onde não há narradores profissionais no game. A adição foi legal quando começou, divertida, mas já é hora de pensar na mudança para o próximo FIFA.

FIFA 19 | Em busca de melhorias 1
Foto: Divulgação

Muito bonito

Se na primeira vez que joguei FIFA 19, considerei que o título teve pioras em relação às versões anteriores, a versão final teve melhoras. A iluminação foi corrigida e agora os detalhes estão melhores, seja em partidas durante o dia ou à noite. O desempenho do jogo no PlayStation 4 comum também merece elogios, rodando “destravado” dos 30 FPS usuais de gerações passadas. Por mais que tenha pequenas quedas na taxa de quadros, a movimentação dos jogadores ficou muito mais leve.

O rosto dos jogadores te as comemorações também ganharam detalhes interessantes. Novas gamefaces, jogadores mais detalhados, comemorações mais reais, animações de torcida, tudo isso deixou FIFA 19 mais bonito. A apresentação é impecável, não fosse pelo descaso com equipes brasileiras.

FIFA 19
As noites de UEFA Champions League são um dos destaques da beleza do game (Foto: Divulgação)

Assim como nos outros anos, alguns times do Brasil estão no jogo, mas sem jogadores licenciados. Isso, de certa forma, era esperado. A grande surpresa foi pela presença de jogadores genéricos na Seleção Brasileira, que conta apenas com Neymar como jogador “real” na escalação. Uma pena, de verdade.

O destino de Hunter

Assim como já havia sido anunciado, o modo A Jornada ganhou seu terceiro e derradeiro capítulo. No controle de Alex Hunter, Danny Williams e Kim Hunter, o jogador vai poder alterar entre os três personagens – que já foram introduzidos e jogáveis em FIFA 18, em um ano decisivo na carreira de ambos.

A Jornada - FIFA 19
Foto: Reprodução

A narrativa não tem grandes surpresas – principalmente se você vencer os jogos. Kim Hunter é a que mais “sofre”, afinal, tem apenas 16 anos e vai disputar a Copa do Mundo de Futebol Feminino. Danny e Alex estão concentrados em seus objetivos primários: vencer a Champions League, afinal, com o licenciamento do campeonato, era claro que ele seria usado aqui.

A Jornada agrada, mas é cansativo. Alternando entre os três personagens, o jogador vai levar algumas boas horas para terminá-lo. Uma pena que a recompensa seja ínfima: cartas no FUT e algumas troféus/conquistas. Quem acompanhou a história até aqui, vale a pena continuar, mas se não teve essa experiência, nem perca seu tempo. Foque em outras atividades que o jogo oferece.

FIFA 19
A Jornada de FIFA 19 reserva alguns encontros com estrelas do futebol (Foto: Divulgação)

Veredito

Jogar FIFA 19 é divertido, mas também pode ser irritante para se acostumar com as mudanças que a EA inseriu. É melhor que o FIFA 18, mas pouco evoluiu em relação ao título anterior. Tem a Champions League e uma apresentação bonita, mas não oferece grandes novidades nos principais modos competitivos.

Nota ótimo

FIFA 19 está disponível nas principais lojas do varejo brasileiro e nas lojas virtuais PlayStation StoreMicrosoft StoreOrigin Store e Nintendo eShop, com o preço variando de acordo com a versão escolhida. O jogo está disponível para PlayStation 3PlayStation 4, Xbox 360Xbox One, Nintendo SwitchPC, via Origin.

*Review elaborado usando a versão de PS4 do jogo. Cópia fornecida pela desenvolvedora.

publicidade: