Eu, como um bom fã de RPG, sempre me vi em meio a jogos incríveis (e outros nem tanto). Confesso que não conhecia Divinity: Original Sin 2, jogo desenvolvido pela Larian Studios. E, sinceramente, me arrependi de não ter conhecido antes. Agora, em sua versão definitiva, o jogo remete muito bem aos clássicos RPGs de mesa, sendo repleto de aventuras, inimigos e muitos diálogos (muitos mesmo).

Mas será que a versão definitiva é tudo isso? Um RPG com um estilo clássico de mesa, repleto de diálogos e decisões difíceis, tem como dar certo em consoles e PCs? Se você está curioso(a) pra saber, se liga em mais uma crítica aqui, no Jornada Geek!

Um RPG denso

Uma das primeiras coisas que percebi em Divinity: Original Sin 2 foi justamente a quantidade de itens, conversas, opções e missões paralelas. Na verdade mesmo, acabei me perdendo em tantas opções e tarefas. Mas o costume vai vindo com o tempo. De toda maneira, você começa a história solitário, sendo preso e levado para um navio. Neste cenário, acontece um ataque e a embarcação é destruída e você e vários dos outros personagens aparecem em uma ilha, ainda com o colar de prisioneiro. E é aí que as coisas começam a se engatilhar, juntamente de um tutorial bem explicativo (que eu pouco li, confesso).

A possibilidade de você montar o seu grupo para aumentar ainda mais o poder de luta é um ponto positivo. Eu particularmente saí “catando jeca” pela jornada e buscando características variadas para me dar opções viáveis de luta. Aliás, no aspecto de montagem de personagem, você pode escolher alguns já definidos, que contam com histórias particulares, ou simplesmente pode criar o que melhor couber em suas escolhas, podendo escolher variadas raças e especialidades. Mas isso é bem flexível: um mago pode ser um excelente personagem em combate corpo-a-corpo. Só basta o jogador usar as armas certas.

Divinity: Original Sin 2
Utilize bem os seus poderes e o cenário ao redor. (Foto: Divulgação)

Seus combates, feitos em turnos por um sistema de pontos, permitem que o jogador tenha as manhas de calcular perfeitamente os movimentos e, mais do que isso, de tentar jogar com o ambiente ao redor. Eu explico: em muitos mapas você verá barris explosivos ou com veneno, algo que pode ser utilizado para dar altos danos e se livrar de lutas longas. Tudo deve ser bem planejado, ou você ateará fogo em seus personagens. E isso não é nada legal.

Existem detalhes interessantes que mudam a perspectiva dos NPCs que circulam as cidades. Por exemplo, se você é pego roubando ou tentando fazer algo ilícito, eles lhe alertarão e você perderá pontos. Outro ponto bacana é que, caso você jogue com um morto-vivo, você deverá usar roupas que tampem o personagem, pois eles são mal vistos pelos outros. Certos detalhes como esses passariam batidos em alguns títulos, é verdade. Mas em Divinity: Original Sin 2 são cruciais.

Divinity Original Sin 2
Os diálogos são densos, mas compensam e fazem diferença na história. (Foto: Divulgação)

Há também um modo multijogador, no qual pouco me aventurei, sobretudo por ter personagens fracos. Mas só pelo fato de poder jogar com outras pessoas, já traz um aspecto bastante positivo a um RPG. Aliás, essa é a tônica do estilo, vide tantos MMORPGs que fizeram e fazem sucesso.

Gráficos, áudio e outros pontos

No quesito gráficos, Divinity: Original Sin 2 é um jogo bem simples. Mas nem por isso a qualidade é feia. Muito pelo contrário, é bastante funcional. As vegetações e demais detalhes dos mapas são muito bem desenhados, e o jogo tem uma coloração agradável aos olhos. Há também uma qualidade na parte de áudio, onde a trilha é interessante e muda de acordo com os acontecimentos. Há uma excelente narração, e os personagens são bem dublados. Porém, o jogo está totalmente em inglês. E, de verdade mesmo, a gente pula um bocado de diálogo, viu!?

Divinity Original Sin 2
Divinity: Original Sin 2 é um jogo simples, mas é bonito, convenhamos… (Foto: Divulgação)

Veredito

Me desculpe, mas eu seria maluco se não elogiasse tanto Divinity: Original Sin 2. O jogo é simplesmente incrível e seus sistemas, embora pareçam complicados logo de cara, são bem simples. E o jogo parece entender isso muito bem. No início, é bem difícil de ver um personagem morrendo, tudo é bem balanceado. A curva de aprendizado do jogo é rápida. E isso graças ao seu tutorial, que ajuda por demais os novatos no gênero.

Divinity: Original Sin 2 | Um grandioso RPG

Esse é um título de RPG completo. Uma referência para os próximos que virão. Um jogo que pode ser facilmente chamado de clássico daqui a 5, 10 anos e agora está disponível para SteamGOG.comPlayStation 4 e Xbox One. Para se ter uma dimensão do grande sucesso do jogo da Larian Studios, a nota de Divinity: Original Sin 2 no Metacritic é incrível, somando 95 pontos. Sinceramente, se eu fosse vocês, não perderia por nada a chance de jogar esta obra-prima, independendo de ser ou não fã de RPG.

*Review elaborado usando a versão de PC do jogo. Cópia fornecida pela desenvolvedora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here