Anno 1800 | Viva o Novo Mundo!

Franquia segue em plena evolução

publicidade:

Anno 1800, jogo desenvolvido pela Blue Byte e distribuído pela Ubisoft, é o sétimo título da franquia Anno. Em cada um deles, fomos remetidos à períodos em que a civilização mundial já passou ou possivelmente passará, misturando características de um simulador e gerenciador de cidades com missões feitas apenas por cliques.

Mas será que após tantos títulos o jogo segue tendo êxito em suas simulações de tempos passados? A jogabilidade e seus gráficos, questões tão relevantes para os jogos atuais, melhoraram? Se você está curioso, sugiro que embarque comigo em mais uma crítica do Jornada Geek!

A Segunda Revolução Industrial e o Novo Mundo

O pano de fundo histórico de Anno 1800 se passa na Segunda Revolução Industrial, que iniciou-se aproximadamente entre 1850-1870. O cenário nada mais é que a América do Sul, lugar vastamente explorado ao longo de toda a trajetória da humanidade.

No Modo História, o personagem encarnado pelos jogadores recebe uma carta de sua irmã avisando sobre a morte de seu pai, pedindo para que retorne para o velório. Ao chegar, você se depara com outro familiar nada conveniente: Edvard Goode, um magnata que se incomoda com o seu regresso. E bem, como certos parentes, ele fica incomodado e sempre busca um jeito de atrapalhar a vida de todos.

Anno 1800
Prospere no Novo Mundo! (Foto: Divulgação)

E é aí que o jogo começa. Em uma região ainda desabitada adquirida pelos protagonistas, você começa a construir seu império, buscando atrair os diversos trabalhadores insatisfeitos com as condições ofertadas por Edvard, que será como um “vilão” ao longo do jogo. Seu império também atrairá olhares de outras civilizações vizinhas.

E para que sua empreitada tenha êxito, é possível barganhar com outras ilhas e comunidades, fazendo importantes aliados e ganhando respeito para manter a população feliz e as coisas funcionando. Esses tipos de negociações, side quests e todo o tipo de formulação de seu império são muito bem retratados, mas é importante lembrar que aqui está sendo simulado um período, não sendo o seu retrato mais fiel. Mas, como um estudante focado especificamente no século XIX, posso afirmar que a Blue Byte acertou bastante nas questões gráficas e nos problemas cotidianos surgidos em Anno 1800.

Anno 1800
Esteja preparado para lidar com a ira dos trabalhadores. (Foto: Divulgação)

Jogabilidade e gráficos

Vamos então falar de questões mais técnicas. A jogabilidade de Anno 1800 é bem padrão. Os menus lembram outros tantos títulos de simulação e gerenciamento, mostrando os números e gráficos necessários para se ter um panorama da situação. A curva de aprendizagem é até rápida, e o próprio jogo parece nos guiar por uma espécie de “tutorial que não é tutorial”, que vai progredindo em capítulos, aumentando cada vez mais os desafios. Mas isso é observado no Modo História. Quem for ousar diretamente no Sandbox pode passar um pouco de perrengue.

O grande ponto de Anno 1800 são as variadas formas de gerenciamento do império, onde você pode optar por enfatizar rotas de comércio, plantar batatas e vender bebidas ou simplesmente priorizar a produção de madeira e utiliza-la para as construções, vendendo o excedente. Porém, tome cuidado ao explorar seus trabalhadores: eles podem ficar infelizes. Saiba balancear os dois lados e prospere.

Anno 1800
Desvende o vasto mapa de Anno 1800. (Foto: Divulgação)

Já na parte gráfica, o jogo entrega uma ótima qualidade, sendo possível aproximar com um zoom e perceber a complexidade dos detalhes que vão desde as partículas da grama até os moradores da colônia protestando. A qualidade gráfica da água é muito bem feita e chama atenção, visto que boa parte do mapa é coberto por ela. Nos diálogos, parte chave do jogo, os gráficos são um pouco mais caricatos, mas isso encaixa-se com a proposta do jogo, que repete certos clichês de época, como o capataz que te auxilia ao longo da jornada.

Convenhamos, os gráficos não são o aspecto mais importante em jogos de estratégia e simulação, mas que isso ajuda (e muito) a melhorar a experiência, é fato. Mais um ponto para a desenvolvedora!

Anno 1800
A beleza gráfica melhora ainda mais a experiência. (Foto: Divulgação)

Veredito

Anno 1800 é um jogo desafiador e que requer atenção. Afinal de contas, fazer uma empreitada prosperar no Novo Mundo não é fácil. Sua jogabilidade é pouco complexa, mas bastante detalhada, algo que deve ser ressaltado. Embora jogos com modo linear limitem demais a experiência final, em Anno 1800, a sensação não é bem essa.

A infinidade de possibilidades e missões com diferentes escolhas e consequências conseguem fazer com que os jogadores forjem seus próprios caminhos (mesmo preso à narrativa). Tanto a ideia quanto a experiência funcionam bem em Anno 1800, que pode ser jogado por fãs do estilo ou para curiosos e fãs de História (assim como eu). O ponto negativo fica por conta da ausência de textos em português, algo que a Ubisoft não vacilava há anos aqui no Brasil.

Anno 1800 | Viva o Novo Mundo! 1

Anno 1800 chega nesta terça-feira, 16, de forma exclusiva para PC e pode ser encontrado em três lojas virtuais: Uplay, por R$159,90; Steam, por R$159,99; e na Epic Games Store, por US$43,20.

*Cópia fornecida pela desenvolvedora.