Sekiro: Shadows Die Twice | O brilho na ponta da lamina

FromSoftware inova e traz um dos seus melhores jogos até aqui

publicidade:

Sekiro: Shadows Die Twice, jogo lançado no último dia 22 de março pela  FromSoftware – desenvolvedora famosa por criar o excelente estilo soulsborne (Dark Souls e Bloodborne) – teve grande repercussão quando  foi anunciado na E3 2018. Ambientado no Japão medieval, os jogadores estão no controle de um shinobi – o lobo de um braço – que precisa passar por todas as dificuldades imagináveis ao se deparar com um ambiente de caos e violência, após acordar sem se lembrar de muita coisa.

Será que Sekiro: Shadows Die Twice conseguiu envolver os jogadores como os outros games do estilo? Será que o título é tão difícil quanto Dark Souls e Bloodborne? Confira nossa opinião agora, em mais uma review do Jornada Geek!

Ninjas poderosos em lugares exóticos

A história de Sekiro, como dito anteriormente, se passa no Japão medieval, mais precisamente no final da Era Sengoku, e seu personagem principal – conhecido como Lobo – precisa a todo custo proteger seu mestre, que se chama Kuro – herdeiro da linhagem do dragão – de um senhor feudal da região em que vivem.

O jogo começa de forma despretensiosa, mostrando a quem está jogando o que é possível fazer com Lobo e, quando menos se espera, começa a verdadeira “face”, fazer o jogador suar.

Sekiro: Shadows Die Twice | O brilho na ponta da lamina 1
Inimigos fortes e com características distintas (Foto: Divulgação)

A partir daí, o jogo segue a mesma linha dos títulos da desenvolvedora, bastante sofrimento e recompensa para quem persevera. Com uma pegada diferente, Sekiro consegue ser diferente quando o aspecto é a jogabilidade, pois ele não depende apenas de defesa e evasão, se o jogador não for pra cima do oponente com tudo, ele vai acabar morrendo – nesse caso, a melhor defesa se torna o ataque. Abusar do aspecto stealth é quase que obrigatório para que se consiga prosseguir sem morrer muitas vezes.

Assim como nos outros games do estilo, a punição por morrer várias vezes ainda está presente e possui sua característica específica, se morrer demais em um determinado local, Lobo deixará as pessoas doentes, afligidas pela “praga do dragão”, que resultará em menos bônus e maiores punições.

Sekiro: Shadows Die Twice | O brilho na ponta da lamina 2
Construções bem feitas (Foto: Divulgação)

Outra diferença muito marcante é a não diversificação de armas, aquele que joga precisará se desdobrar para poder vencer diversos chefes com a mesma arma, com o mesmo alcance e força do início ao fim. O que muda com a progressão do jogador são as ferramentas – acopladas ao braço mecânico – que podem ser usadas para auxiliar, seja um gancho para se aproximar mais rápido do oponente ou escalar muros, ou projéteis que podem ser lançados para ajudar na quebra de defesa.

Trilha e sons capaz de deixar qualquer um intrigado

Sabe aquela música que nos remete que algo não está legal e mesmo assim não conseguimos entender o que é? Então, Sekiro consegue usar de momentos de calmaria sem deixar que a “bola do jogo” caia, deixar aquela trilha que deixa o jogador incomodado com o momento. Quando o momento pede, um ritmo envolvente faz com que batalhas simples se tornem épicas.

Sekiro: Shadows Die Twice | O brilho na ponta da lamina 3
Batalhas de tiraram o fôlego (Foto: Divulgação)

Castelos e construções impecáveis

A ambientação é um dos pontos forte de Sekiro: Shadows Die Twice, pois remete diretamente à época que se propõe retratar. Construções bem feitas e modelagem impecável, faz com quem joga se sinta na era Sengoku.

Inimigos diversos e monstros marcantes, mostram com elegância como a direção de arte teve cuidado de colocar cada um deles em pontos estratégicos e em momentos oportunos, para que a experiência não fosse quebrada ou se tornasse algo cansativo – por ciclos sem fim de o mesmo do mesmo.

Sekiro: Shadows Die Twice | O brilho na ponta da lamina 4
Ambientação da época Sengoku impecável (Foto: Divulgação)

Veredito

Apesar de seguir a já consagrada linha de jogos da FromSoftware, Sekiro: Shadows Die Twice consegue inovar com suas próprias características, principalmente pelo personagem principal usar a mesma arma durante o decorrer da narrativa ou pela forma de enfrentar os inimigos. É um game que proporciona boas horas de jogatina e também exige bastante paciência do jogador.

Sekiro: Shadows Die Twice | O brilho na ponta da lamina 5

Sekiro: Shadows Die Twice foi lançado no dia 22 de março de 2019 para PlayStation 4, Xbox One e PC, via Steam. O título possuí legendas e interface em português brasileiro. No Metacritic, o game está com a média de 91 pontos na versão avaliada.

*Review elaborado usando a versão de PC do jogo. Cópia fornecida pela desenvolvedora.

publicidade: