Todo mundo esperou, ficou empolgado, adorou ou reclamou do que viu, e finalmente Destiny 2 está aí. Definitivamente é um dos grandes lançamentos de 2017, e só pelo alvoroço causado, qualquer um nota a popularidade do jogo. Sendo assim, hoje espero falar aqui minhas impressões sobre o game e dar uma opinião, de um gamer para outro.

Sempre achei que críticas tem um papel do qual não podem fugir. Esse papel é o de responder a uma dúvida, que sempre vêm à cabeça cada vez que um jogo chega às prateleiras: Compro ou não compro? Como não gosto desse lance de 8 ou 80, vou elaborar um pouco mais essa questão: devo comprar Destiny 2 imediatamente, esperar uma promoção ou passar longe?

Análise Destiny 2
Foto: Divulgação

O que você provavelmente já ouviu sobre Destiny 2

Quem não embarcou no navio das expectativas e está pensando em se deve ou não ser mais um guardião do Viajante, com certeza se deparou com algumas “inconsistências” em relação a opiniões sobre Destiny 2. Por um lado, toda a crítica especializada apontando para um excelente game. Por outro, uma parcela da comunidade desagradada por microtransações em excesso e conteúdo que poderia estar no jogo base adiado para ser lançado como DLCs pagos. Sendo parte da crítica especializada, vou analisar todos os aspectos técnicos e que tratam do conteúdo do jogo que nos foi gentilmente cedido pela Activision. Sendo gamer, vou falar minha opinião sobre a maneira como ela abordou esses “extras” em Destiny 2. Vamos lá!

Para agradar fãs, novos novatos e até quem não se importa

Sendo uma continuação, a primeira coisa que podemos afirmar é que todas as características do primeiro jogo estarão lá. Eu joguei o Destiny original em seu lançamento e, pessoalmente, não gostei. Eu gostei dos cenários, vi potencial na ambientação, mas o jogo simplesmente parecia não engrenar. Não existia uma história. Eu estava no controle de um personagem genérico em que eu não entendia o motivo dele continuar indo em frente. Como eu adoro jogos com muito grind e loot, fui em frente esperando que a jogabilidade me prendesse. No fim os problemas com servidores, desequilíbrio no multiplayer e PVE curto e repetitivo me fizeram desistir.

Após alguns DLCs e patches de atualização, parece que esses erros foram corrigidos e o game finalmente atingiu aquilo que era esperado, mas já era tarde para mim. A má impressão ficou, o estrago já tinha sido feito. Além disso, eu acumulava uma pilha de coisas mais interessantes para jogar e fazer da vida. Até que Destiny 2 chegou para mim.

Uma evolução bem-vinda

Em umas quatro horas de jogo, tudo o que me incomodou no primeiro não estava presente. Uma história simples, mas bem contada e amarrada. Personagens simples, mas carismáticos. Tudo em Destiny 2 é amigável, agradável e confortável. Você pode pegar o jogo depois de um dia cansativo, curtir e relaxar por um tempinho enquanto explora os incríveis cenários e atira em alguns alienígenas. Você também pode passar uma tarde inteira do seu fim de semana, correndo atrás de níveis e equipamentos raros por horas a fio. Fazendo um ou fazendo o outro, é divertido.

O jogo cumpre muito bem esse papel, o principal de qualquer jogo: diversão. Quem gostou do primeiro vai adorar esse. Quem não gostou pode finalmente achar o que faltou no anterior. E quem não conhece nada vai se sentir em casa em poucos minutos. Destiny 2 é um jogo feito para agradar a todos que puder.

Aprofundando a análise de Destiny 2

Melhorias à parte, vamos falar rapidamente sobre os sistemas. Em Destiny 2 você não vai encontrar uma mecânica avançada de shooter. As balas não caem com a gravidade, o recuo das armas varia pouco de classe para classe. Atingir seus inimigos é uma tarefa até bem fácil. Essa simplicidade é compensada pelo outro gênero onde o jogo se encaixa, que é o MMO. Combinando elementos de RPG como níveis, dano, skills e equipamento, além de um multiplayer competitivo o jogo se aprofunda de uma forma que os FPS tradicionais não conseguem. E pode ter certeza, você vai querer muito aquele rifle lendário com a famigerada “God Roll”, que é quando ele vem com os talentos e números certinhos para o seu personagem.

Quanto aos personagens em si, são apenas três classes: Titã, Caçador e Mago. As subclasses oferecem alguma variação de habilidades, mas o que afeta drasticamente sua maneira de jogar dentro dessas classes é o equipamento. Pode ter certeza, Destiny é um jogo onde você faz quests e atividades diárias em busca de recompensas diretas, na forma de mais equipamento. Ele tem aquela coisinha comum a todos os jogos baseados em loot de sucesso: a ansiedade de conseguir logo aquela arma que você tanto quer.

Ao casar esse sistema com um bom Player Versus Player (que geralmente é onde MMORPGs pecam) você chega naquela formulazinha mágica. A fórmula que, para nossa vergonha, nos faz acumular 200 horas de jogo em pouco tempo. Destiny 2 é impecável em todos esses aspectos. Talvez o jogo falhe um pouco em seus servidores, que de vez em quando não suportam a rede de jogadores e caem. Não é muito comum de acontecer, pelo menos não foi comigo.

Microtransações, DLCs e o mercado de jogos AAA modernos

Destiny 2 é uma produção gigantesca, que envolveu muita gente, muito tempo e muitos recursos. Tudo isso trouxe um jogo bem polido, com grandes qualidades técnicas e que por vezes parece marcar tudo de bom que esperamos de um game. É como se ele marcasse todas as caixinhas de uma lista de qualidades de jogos de sucesso. De uma coisa tão grande assim, tão bem-feita, se espera retorno. E dos grandes. Aqui entra para mim o defeito do jogo, que não é propriamente do jogo, mas da produtora.

Destiny 2 vale a pena
A gente já vai salvar o Viajante, assim que você comprar o passe da temporada 2018 e renovar sua assinatura premium. Gostou da pintura da minha armadura? Posso te vender isso também.

A Activision não tem a menor vergonha de colocar o doce na sua boca e tirá-lo quando você mais está gostando. Para isso já temos expansões chegando para o final do ano (em um jogo que vai ter uns três meses de vida). Se seguir a receita do primeiro, essas expansões vão chegar em valores próximos aos do jogo base. As infames microtransações estão presentes, e é possível que você pague bastante grana por caixas de equipamento aleatório e saia na frente dos seus amigos. O clássico passe de temporada também vem por aí.

Jogar às vezes parece outro desafio

Entendo que existam custos para fazer a manutenção de servidores, patches de correção e atualização; Para que tudo isso exista os valores devem ser repassados aos consumidores. Porém, ainda não consigo me livrar daquele incômodo que sinto ao comprar um jogo, pagar uma “mensalidade” para jogar o multiplayer, pagar por uma aventura extra que adicione algumas horas e depois pagar para poder continuar jogando porque minha licença “venceu”. É bom lembrar, nos consoles, é necessário ser assinante PlayStation Plus ou Xbox Gold Live para jogar online.

Lancem conteúdo de qualidade e os jogadores vão comprar. É simples assim. Se o DLC que deve sair em dezembro for bom de verdade, todos – inclusive eu – vão pagar com um sorriso no rosto. Parem de tentar puxar minha carteira toda vez que eu estiver distraído. A graça está em conquistar seus espólios, não em pagar por eles.

Enfim, o veredito

Apesar de acima eu explicitar minha opinião sobre algumas das atuais características do modelo de negócios no mercado de games, isso pouco influencia na minha nota para Destiny 2. O jogo tem um propósito claro, de te divertir por muito tempo. E ele cumpre isso muito bem. Você pode correr para comprá-lo agora mesmo, pode esperar a inevitável “edição definitiva” que sempre sai. De um jeito ou de outro, se você gosta de um bom FPS, sugiro não deixar a chance passar. Destiny 2 vai te prender, e por um bom tempo.

Nota ótimo

Neste primeiro momento, o jogo está disponível somente para PlayStation 4 e Xbox One. A versão para PCs chega no dia 24 de outubro, no Battle.net. No Metacritic, o game recebeu média de 86 pontos na versão analisada.

*Review elaborado usando a versão de PS4 do jogo. Cópia fornecida pela desenvolvedora.