Uma chance para recomeçarNão sei o que o Natal tem que parece inspirar comédias românticas. Dá para fazer uma lista, mas só com Tom Hanks e Meg Ryan, a queridinha do gênero nos anos 1990, há três. E, por algum motivo, foi justamente das duas últimas, Sintonia de amor e [email protected] para você, que me lembrei ao ler Uma chance para recomeçar, da escritora Lisa Kleypas, mais uma “best-seller do The New York Times” segundo a capa da editora Novo Conceito – por que não estou surpresa??? (sim, foi uma ironia).

De um lado, há uma garotinha carente de uma mãe, versão feminina do menininho de Sintonia. De outro, um encontro entre os protagonistas na loja de brinquedos da moça que lida magicamente com crianças, comércio que remete diretamente à livraria infantil de propriedade de Kathleen Kelly em [email protected]. Acontece que o resultado disso funciona melhor no cinema.

O livro tem início após a morte de Victoria, cuja filha Holly acaba ficando sob a responsabilidade dos irmãos Sam e Mark. Mark, como a própria sinopse atesta, é um solteirão convicto. Mas a convicção 1, como não podia deixar de ser, é abalada por Maggie, uma jovem viúva que não quer saber de um novo amor. É claro que o encontro com Mark representa um abalo na convicção 2. E personagens tão facilmente convencidos a rever seus intentos são ainda ajudados por Holly, que não quer nada além de uma nova mamãe trazida embrulhada para presente pelo Papai Noel.

Não que o romance seja ruim, mas isso não quer dizer que seja bom. Não é. Porque alguns clichês, por mais que satisfaçam Hollywood e criem filmes que a gente não cansa de assistir de novo e de novo com um balde de pipocas no sofá ou debaixo das cobertas, não fazem literatura. Fazem entretenimento, criam sucessos editoriais de momento e para um nicho específico, mas literatura não. Literatura é outra coisa. E nem sempre é garantida apenas pela magia do Natal. Nem seis meses depois.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here