-publicidade-

SE EU FICAR | LITERATURA

Se Eu Ficar
Se Eu Ficar

Bastou estrear nos cinemas para que Se eu ficar fosse comparado a A culpa é das estrelas. Ambos os filmes são adaptações de best-sellers norte-americanos; ambos têm a alquimia de combinar doses precisas de paixão adolescente e drama para transformá-las em lágrimas; ambos tratam de amor, perda e dor. Mas, se estúdios hollywoodianos disputam qual faz chorar mais, os livros, por sua vez, estão longe de promover uma competição. São, na realidade, bem diferentes entre si.

Embora só lançado no Brasil apenas pouquíssimos dias antes da estreia cinematográfica, o romance de Gayle Forman é anterior ao de John Green e, inclusive, teve seus direitos cinematográficos comprados mais de um ano antes de A culpa é das estrelas ter chegado às livrarias. Além disso, os dois livros percorrem trajetos opostos: enquanto A culpa… parte da consciência de uma dor que é bebida aos goles até chegar a descoberta meio acachapante do amor, em Se eu ficar o amor já está inteiramente descoberto, até desnudo, o que talvez – e é só um talvez – torne pior lidar com o apunhalada inesperada da dor.

Não é só isso, contudo, o que há de especial na história imaginada e escrita por Gayle Forman. Sim, é fácil chorar com a difícil escolha de Mia, a jovem e talentosa violoncelista clássica de 17 anos que, após um violento acidente de automóvel que mata parte de sua família (não, isso não é um spoiler), assiste ao esforço dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera do hospital. É fácil também se emocionar com o desespero de Adam, namorado de Mia e guitarrista de uma banda de rock, para ficar perto dela. E mais fácil ainda é se deixar levar por longas (e provavelmente inúteis, no fim das contas) reflexões metafísicas sobre experiências extracorpóreas e/ou de quase morte, luzes brancas ao fim de túneis e o que mais se diga acerca de questões afeitas exclusivamente à crença de cada um.

Tudo tão, tão fácil que a escolha narrativa nada óbvia de Gayle pode passar naturalmente, sem questionamentos, por olhos mais tendenciosos às lágrimas do que propriamente à escrita. E, no entanto, é esse o grande diferencial de Se eu ficar: justamente a escolha narrativa; ou melhor, narrativas, no plural, já que a trama se bifurca entre o presente, cronológico, e o passado, feito de saltos de memória desconexos e sem linearidade (como é a própria memória), mas que aos poucos vão desvelando o enredo, as personagens e suas relações, sem nunca entregá-las de pronto, sem nunca mostrar uma foto instantânea, mas sim pinceladas e ângulos, como num quadro cubista. E, nesse jogo, a escritora ainda consegue dotar sua protagonista, narradora em primeira pessoa, da onisciência e onipresença típica dos narradores de terceira, algo pouco comum e bem complexo de se fazer (com a justificativa plausível). Tons e ritmos distintos que se completam, como um duo de rock e música clássica, guitarra e violoncelo em harmonia.

Não causará nenhum tipo de surpresa se a maioria dos leitores buscar o livro quando estiver atrás de uma história de amor e depois optar por tirar lições como “só o amor salva”. Não creio, porém, que nenhuma das duas coisas – amores ou lições – seja o foco principal. Se há um recado, para mim, é de que viver é uma escolha difícil e que exige luta. E coragem. Assim como tocar um instrumento. Ou escrever.

- publicidade-
- publicidade -
- publicidade -
-publicidade-

Notícias relacionadas

1 COMENTÁRIO

  1. Esperei muito por esse texto, simplesmente tudo que eu sentir no dia, o diferencial pra mim, é que Se eu Ficar me fez rir em determinado momento,
    Já em A culta é das estrelas só me fez chorar no final, Se eu ficar me fez sentir tudo de uma vez só, são tantas emoções que fica difícil de explicar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Siga Nossas Redes Sociais

543,209FansCurtir
31,529SeguidoresSeguir
20SeguidoresSeguir
0SeguidoresSeguir
20,474SeguidoresSeguir
57InscritosInscrever
publicidade: SE EU FICAR | LITERATURA

Últimas Postagens

Um Natal Nada Normal | Conheça a nova minissérie alemã da Netflix

Com o seu desenvolvimento já anunciado há algum tempo, a minissérie alemã Um Natal Nada Normal foi lançada recentemente pela Netflix. E assim, agora...

Noelle | Conheça o filme de natal do Disney+ com Anna Kendrick

Com o seu lançamento já tendo acontecido há algum tempo nos EUA, o filme Noelle chegou recentemente ao catálogo do Disney+ no Brasil. E...

The Mandalorian | Série revela o verdadeiro nome e história do Baby Yoda

Atualmente já tendo exibido mais da metade da sua 2ª temporada, a série The Mandalorian segue em alta na mídia por conta do lançamentos...

Vozes | Conheça o novo filme de terror da Netflix

Com o seu desenvolvimento já confirmado há algum tempo, o filme Vozes foi recentemente lançado pela Netflix. E assim, agora reunimos abaixo alguns dos...

Virgin River | Série da Netflix ganhará 3ª temporada? Confira o que sabemos

Com o seu desenvolvimento confirmado há alguns meses, a 2ª temporada da série Virgin River foi recentemente lançada pela Netflix. E claro, aos poucos...