INFERNO | LITERATURA

Inferno

Por Vanessa Queiroz

Robert Langdon volta à Itália e faz de “Inferno” um Best- seller digno das telonas.

Fãs de um suspense bem escrito podem ir sem medo para as livrarias, Dan Brown veio disposto a levar à falência os amantes de literatura com sua última obra. Com uma trama muito bem amarrada, além de personagens bem desenvolvidos e emblemáticos, “Inferno” traz todos os elementos que consagraram o autor e tem tudo para chegar aos cinemas.

O começo já vem com o suspense característico das obras de Brown, não sabemos quem é o narrador, se é um sonho, se é passado se é presente, tampouco a localização geográfica dos fatos.

De supetão caímos num leito de hospital: Robert Langdon de volta para a Itália, toma um “tiro” na cabeça e perde a memória recente (Dory é você?). Aos futuros leitores um lembrete: Quando se trata do professor Langdon e de estudos simbólicos sobre solo italiano nada é o que parece ser… Nada mais a declarar.

Sim. É impossível parar de ler. Como em “O Código Da Vinci” e “Anjos e Demônios” a construção da história baseada nos fragmentos históricos, aliados a riscos mortais e vilões megalomaníacos desconhecidos leva nossos dedos a correrem página por página desenfreadamente para descobrir o que raios está se passando e qual será o grand finale.

Obviamente que para quem se interessa por História, arquitetura, artes ou (como esta humilde resenhista) pela riqueza cultural italiana os nove ciclos do inferno parecerão o paraíso de Dante. E por falar nele, aposto que ao final da leitura você vai se sentir nem que seja um pouquinho tentado a ler “A Divina Comédia”. Um autor genial citando outro com maestria. O mundo expurgando seus pecados, a peste, crescimento populacional levando ao caos, inferno sobre a Terra… Nada tão distante da realidade que não nos leve a reflexões significativas sobre a função real das grandes organizações mundiais.

Para não me extender e cair no risco de um maldito spoiller só teço uma crítica negativa: Ao contrário de “Anjos e Demônios” e “Símbolo Perdido”, Dan Brown parece perder o fôlego à medida que os mistérios são dissolvidos. Nada que estrague a obra, mas…

Parafraseando Alighieri e Brown “Abandonai todas as esperanças vós que aqui entrais”.

- Publicidade -

Notícias relacionadas

- publicidade -

Jornada Geek + Lolja

Últimas Notícias

2 COMMENTS

  1. Eu estou muito ansiosa para ler este livro. Adoro ler resenhas e críticas de quem já leu o livro para que eu possa ir me familiarizando com a história antes de comprar o meu, porém, tenho que confessar que ao ler a sua resenha Vanessa, mesmo que vc não tenha entrado em detalhes sobre a história, fiquei com uma vontade incontrolável de ir a uma livraria adquirir o meu livro de uma vez. Sou apaixonada pela forma tão característica do Dan Brown de contar suas histórias que fico doida de curiosidade ao ver um lançamento dele. Sem contar que ele mexe muito comigo ao usar obras magníficas da literatura em seus suspenses. =D

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here