-publicidade-

-publicidade-

ATRÁS DO ESPELHO | LITERATURA

Atrás do Espelho
Atrás do Espelho

No tempo das releituras, A. G. Howard foi visitar Alice no País das Maravilhas e a sequência, Alice através do espelho, grandes clássicos da literatura (infantil?) que até hoje assombram leitores pelo mundo e por diversas adaptações em diferentes mídias. Nessa temática do assombro, Howard, enquanto trabalhava em uma biblioteca escolar, não se contentou em apenas visitar a terra da Rainha Vermelha e perguntou-se: o que aconteceu com o País das Maravilhas depois que Alice saiu de lá?

Para responder, escreveu O lado mais sombrio e a continuação, Atrás do espelho. Ao leitor que não gosta de spoiler, ao invés de pular este parágrafo, que vai resumir alguns pontos do primeiro livro, aconselho a pular o primeiro livro, que é chato, piegas e desperdiça uma boa ideia. Alice deixou descendentes e, acredita-se a princípio, todas as mulheres da família estão amaldiçoadas devido às mudanças que ela desencadeou no País das Maravilhas. Como sonhou tudo aquilo, ou pelo menos foi o que contou a Lewis Carroll, Morfeu vem ajudar a mais jovem do clã a resolver os problemas deixados e, com isso, salvar a mãe, internada num sanatório. Cumpridas todas as etapas, ao invés de tirar uma maldição (que era uma farsa), Alyssa (X-neta da original) é coroada a Rainha Vermelha, mas não quer ficar por lá, faz um arranjo político e volta para o namorado no mundo real. Pronto, contei.

Atrás do espelho não desperdiça a boa ideia. Existe um portal (a toca do coelho) que leva para o País das Maravilhas e dois que trazem para o mundo real: um guardado pela Rainha Branca, o outro por Grenadine. No entanto, quando voltou para cá, Alyssa permitiu, sem saber, que a Rainha Vermelha assumisse um novo corpo no lado de lá e começasse a organizar exércitos para retomar o poder. A legitimidade está em Alyssa, descendente da Vermelha (que veio para a Terra no lugar de Alice e se fez passar por ela, isso também é do primeiro livro), tem poder no sangue e Morfeu volta para tentar levar a menina para a guerra.

No que poderia ser mais uma aventura num mundo surreal (uma boa cena do primeiro livro é o jantar em que o pato assado foge e os comensais o caçam), a principal motivação da trama acontece antes da viagem pelo espelho. A tensão está do lado de lá, com os movimentos da Rainha Vermelha que são contados por flores que se comunicam com os dois mundos. Morfeu, como assume uma forma terrena para tentar persuadir Alyssa, perde o vínculo com o País das Maravilhas e tem que se virar com retórica, sedução e magia, mas sem muitos aliados.

Para complicar, Alyssa não confia em Morfeu, que a ludibriou pelo primeiro livro inteiro, misturando interesses pessoais e mentiras em seu jogo de sedução. Quando ela percebe que ele se faz passar por um colega de colégio, vai logo tirar satisfação e diz que não quer voltar, que precisar ficar aqui, mas, mesmo arredia, entende o problema do lado de lá. Resolve contar tudo a Jeb, o namorado (que também esteve lá com ela no primeiro livro, mas esqueceu tudo) e procura o momento ideal.

Fim das complicações e vamos para a guerra? Não, porque se não havia maldição na família, como explicar que a mãe estivesse no sanatório no primerio livro? Há algo estranho no ar e boa parte das respostas está nos mosaicos de Alyssa, feitos com cacos de vidro nos quais ela deixa pingar uma gota de seu sangue real, que desenha por ela. Cenas fortes, que retratam, embora ela não entenda, o que ocorre no País das Maravilhas. Em meio a todas essas peças existe alguma força misteriosa que tenta embaralhar tudo, e Alyssa credita as confusões a Morfeu, que cada vez mais parece esconder, como sempre, algo por trás do que diz.

Atrás do espelho mostra que o lado mais sombrio, explícito no primeiro livro, pode ser mais sinistro quando é apenas sugerido e desencadeia os problemas do lado de cá. Para resolver o caos do País das Maravilhas, Alyssa tem que tentar organizar primeiro seu caos interior, mas parece que ninguém quer ajudar. E não nos esqueçamos do lado mulherzinha do livro: Jeb é lindo e forte, Morfeu é belo e sedutor. Muitos dilemas para a jovem rainha.

- publicidade -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Jornada Geek + Lolja

Últimas Notícias