-publicidade-

AMERICAN HORROR STORY – FREAK SHOW | PRIMEIRAS IMPRESSÕES

American Horror Story - Freak Show
American Horror Story – Freak Show

É interessante quando um projeto chega prometendo arcos diferentes, um formato único e a busca pelo seu espaço. Foi com a temporada Murder House que o público começou a acompanhar o trajeto de American Horror Story. Com ela vieram as cenas de terror, casos de assassinatos descontrolados, o jogo entre passado e presente, o delírio de protagonistas. Um clima de verdadeira tensão, que não acabou, mas encontrou um caminho diferente ao início de Asylum. Mesmo  que o título da série fosse o mesmo, a abordagem era outra como apontava o seu subtítulo. Foi com o ano 2 que a igreja acabou ganhando uma abordagem maior dentro da temática, enquanto um serial killer era constantemente citado. Variedades existiam nos crimes apresentados, assim como a mente de cada personagem era trabalhada. Após isso, o terceiro ano abordando bruxas em Coven foi diferente. Não surpreendeu como o esperado, mas encontrou seu objetivo. Agora, chegou a vez de Freak Show.

Como toda temporada, o quarto ano começou contando uma história do zero. Introduzindo o espectador ao mundo dos circos, o episódio começa com uma narrativa em formato de conto, mostrando um entregador de leite em uma casa, corredores de hospitais e exames. Logo fica claro que a abordagem é construída para apresentar ao espectador as irmãs siamesas Bette e Dot. No local elas conhecem Elsa, dona e responsável por comandar um circo com pessoas que também apresentam anomalias em seus corpos. É com a chegada das irmãs ao local e com diversos assassinatos acontecendo pela cidade que o roteiro começa a ganhar forma. O local acaba sendo uma verdadeira comunidade, onde a busca pela defesa de todos acaba sendo algo crescente com os recentes acontecimentos. Entretanto, mistérios e assassinatos cercam a trama e seus personagens, começando pelo misterioso palhaço que está cometendo os crimes.

A marca de American Horror Story em apresentar temporadas com temas isolados já  é algo sólido, que está  começando a ser utilizado em outros projetos e chama cada vez mais atenção. É também eficiente para atrair espectadores, já que mesmo tendo um público conquistado, acaba chamando atenção de outros através do conteúdo que vai ser abordado. Os roteiros podem ser iniciados tendo apenas a fundamentação das novas ideias, criando conteúdos únicos para cada ano e fazendo com que novos personagens acabem tendo o seu espaço e destaque. Entretanto, talvez o que chame mais atenção é  o fato de que o elenco foi se repetindo em grande parte, mudando apenas algumas peças com o passar dos anos.

Entretanto, ainda mais forte é  ver a identidade que sempre são construídas no início de cada temporada. Após apenas 2 episódios, já é algo claro ver Jessica Lange em outro papel, já dominando sua caracterização como Elsa, assim como acontece com Sarah Paulson, Kathy Bates, Evan Peters, Angela Bassett, entre outros nomes envolvidos. Cada nome apresentado ao programa sabe como impor sua personalidade e características na interpretação de seus personagens. De tal forma, logo fica claro a temática, trabalhando preconceitos, assassinatos e intrigas internas. Para um início, não é exatamente o que geral esperava. O tema está dividindo opiniões, já  que alguns buscam elogiar o novo ano pelos momentos apresentados, enquanto outros sentem mais falta do terror que poderia ser apresentado de forma mais intensa dentro das questões de Freak Show. Contudo, um fato importante é que o acontecimento envolvendo Meep deve gerar consequências.

A verdade é que ainda é muito cedo para julgar um programa que tem ciclos com início, meio e fim para cada um dos seus anos trabalhados. Entretanto, caminhos diversos podem ser apresentados a partir de temas que foram mostrados até agora, começando pelos diversos assassinatos envolvendo o misterioso palhaço, caminhando pela convivência dos personagens, até o  momento em que as decisões e atitudes de cada um podem criar vertentes diversas para desenvolvimentos variados. Fora isso, ainda vale ressaltar que outros nomes vão surgir com o  passar do tempo.

- publicidade-

Até agora, tudo foi muito prático e claro. O único segredo é a motivação e identidade do serial killer da vez, algo que deve ser mantido assim por mais alguns capítulos até o público conhecer sua história. Entretanto, personagens como Dandy Mott podem ser utilizados para caminhos incertos. Após ser recusado no circo, o perturbado jovem pode seguir linhas diversas. Além disso, o roteiro vai claramente criando uma bolha que pode explodir com o seu andamento, provocando novos crimes e reações com o passar dos episódios. É claro, muitas questões ainda ficam no ar. Afinal, será que o clima será mais eficiente do que Coven? Teremos algo no estilo Murder House mais para frente? O palhaço será o verdadeiro antagonista ou apenas um pretexto para uma abordagem mais crítica? São perguntas válidas, que podem ou não ter uma resposta daqui para frente. Tudo do novo ano depende dos próximos capítulos, que podem ser marcantes ou frustrantes, dependendo da sua busca por terror ou drama. E claro, vale ressaltar que um ponto comum pode ser encontrado para trabalhar os dois gêneros em um formato inteligente.

- publicidade -
- publicidade -
-publicidade-

Notícias relacionadas

AMERICAN HORROR STORY - FREAK SHOW | PRIMEIRAS IMPRESSÕES
Marco Victor
Fundador do Jornada Geek e formado em Jornalismo, mas também um grande amante de filmes e antigo frequentador de locadoras. Outras paixões também existentes estão em Séries de TV, HQs, Games e Música. Considera Sons of Anarchy algo inesquecível ao lado de 24 Horas, Vikings e The Big Bang Theory. Banda preferida? São muitas, mas Slipknot ocupa um lugar especial. Espera ansioso por qualquer filme de herói, conseguindo viver em um mundo em que você possa amar Marvel e DC apesar de ter no Batman e As Tartarugas Ninja como os seus heróis favoritos.

1 COMENTÁRIO

  1. Um dos fatores que me levam a adorar este seriado é que não é necessário assistir a todas as temporadas para se saber o que está havendo na temporada atual, tendo cada uma início, meio e fim, podendo navegar em qualquer cenário de terror; e o fato de os atores serem sempre os mesmo, podendo ou não ter acréscimos no decorrer da história. Não estou assistindo esta temporada, porque não gostei da abordagem, e isso é ótimo, posso muito bem assistir à próxima que não terei perdido nada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Siga Nossas Redes Sociais

543,264FansCurtir
31,529SeguidoresSeguir
20SeguidoresSeguir
0SeguidoresSeguir
20,478SeguidoresSeguir
57InscritosInscrever
publicidade: AMERICAN HORROR STORY - FREAK SHOW | PRIMEIRAS IMPRESSÕES

Últimas Postagens

Vozes | Conheça o novo filme de terror da Netflix

Com o seu desenvolvimento já confirmado há algum tempo, o filme Vozes foi recentemente lançado pela Netflix. E assim, agora reunimos abaixo alguns dos...

Virgin River | Série da Netflix ganhará 3ª temporada? Confira o que sabemos

Com o seu desenvolvimento confirmado há alguns meses, a 2ª temporada da série Virgin River foi recentemente lançada pela Netflix. E claro, aos poucos...

The Mandalorian | Quem é Ahsoka Tano? Conheça a personagem que apareceu na série

Atualmente já disponível no Brasil como parte do catálogo do Disney+, a série The Mandalorian segue se destacando cada vez mais diante do público....

Beleza Negra | Filme do Disney+ ganha trailer e data de estreia no Brasil

Com o seu desenvolvimento já confirmado há alguns meses, agora o filme Beleza Negra: Uma Amizade Verdadeira (Black Beauty), estrelado pela atriz Mackenzie Foy, teve...

Crônicas de Natal 3 | Tudo o que sabemos sobre o possível filme

Meses após ter o seu desenvolvimento confirmado, o filme Crônicas de Natal 2 foi recentemente lançado pela Netflix. E como não poderia deixar de...