Se a Rua Beale Falasse | Crítica

O longa chega aos cinemas em fevereiro.

publicidade:

Classificação:

Nota ótimo

poster de Se a Rua Beale Falasse
Divulgação

Dois anos após a sua conquista ao Oscar com o filme Moonlight, o cineasta Barry Jenkins retorna aos cinemas com a adaptação do livro Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk, em inglês). Abordando temas como superação, união e o racismo presente na sociedade, o longa narra a dramática história de dois jovens afro-americanos de maneira que sensível e entrega uma experiência simples e emocionante.

A trama conta a história de Tish (Kiki Layne), uma mulher de Harlem que casou recentemente e corre contra o relógio para provar a inocência do seu amado enquanto carrega seu primeiro filho. É uma celebração de amor contada pela história de um jovem casal, suas famílias e vidas, tentando trazer justiça através do amor, por amor e a promessa do sonho americano.

Com um roteiro característico de sua assinatura, Jenkins apresenta uma narrativa com ritmo mais lento e se utiliza de uma estrutura não-linear para narrar sua história. Dando novas informações e profundidade para o que ocorre no “presente” na trama ao longo da sua narrativa, o cineasta apresenta flashbacks – em sua maioria introduzidor por Trish por meio de um voice-over ilustrando algum pensamento – para pincelar e explicar a relação entre ela e seu companheiro, Fonny (Stephan James).

Não somente isso, estes artifícios também dão mais profundidade à trama ao explicar de maneira sutil o possível motivo por trás da prisão de Fonny, assim como sua passagem na prisão durante a gravidez de Tish o afetou.

Partindo para os seus personagens, é indispensável destacar a performance de Kiki Layne. Entregando uma interpretação sensível da protagonista, Layne é a maior responsável por levar o espectador nesta dramática e linda jornada trilhada pelo casal. E assim, também não poderia deixar de elogiar Stephan James. Ao lado da protagonista, ele não deixa a desejar ao dar vida a Fonny e, ao dividir a tela com Layne, entrega uma experiência emocionante ao espectador.

Um outro ponto que precisa ser elogiado é a sua fotografia. Apresentando planos muito bem enquadrados ao narrar a história, o longa se destaca pela utilização de planos fechados que focam nos personagens e colocam o espectador frente a frente àqueles que estão na tela.

Por fim, Se a Rua Beale Falasse narra a história do jovem casal de maneira sensível e única. Com a assinatura de Jenkins, o longa entrega uma experiência simples e emocionante ao espectador ao abordar questões como racismo, família, persistência, amor, união e superação.

Confira também: If Beale Street Could Talk | Assista ao novo trailer do filme

O elenco também é composto por Regina King (Seven Seconds)Colman Domingo (Fear the Walking Dead)Teyonah Parris (Chi-Raq)Brian Tyree Henry (Atlanta)Dave Franco (Artista do Desastre)Ed Skrein (Deadpool)Michael Beach (The 100)Finn Wittrock (American Horror Story)Aunjanue Ellis (Histórias Cruzadas)Diego Luna (Rougue One: Uma História Star Wars)Pedro Pascal (Kingsman), e Emily Rios (The Bridge)

Se a Rua Beale Falasse chega aos cinemas no dia 07 de fevereiro.

Não deixe de acompanhar todas as notícias diárias sobre filmes, séries e games do Jornada Geek no facebooktwitter e instagram.

Comentários: