-publicidade-

CAMINHOS DA FLORESTA | CRÍTICA – OSCAR 2015

Caminhos da Floresta
Caminhos da Floresta

Mesmo que os contos mais famosos tenham suas datas de lançamento, há muito tempo a humanidade convive com eles. A idealização da perfeição em uma relação, riquezas e aventuras fez parte de muitas infâncias. E claro, a Walt Disney ajudou muito nos últimos anos com suas adaptações animadas e histórias envolvendo tantas personagens encantadoras através de suas narrativas. São anos de comemorações de diversos títulos que vão sendo lançados. Entretanto, em 1986 na cidade de San Diego um musical chamou atenção por apresentar a união de diversas tramas em uma única abordagem. Logo, em 1987 o projeto atingiu o topo do nível teatral e estreou na Broadway. Agora, anos mais tarde, chegou a vez de Caminhos da Floresta (Into The Woods) mostrar a união de tantos nomes na grande tela, em um filme recheado de estrelas, uma para cada papel existente.

Caminhos da Floresta é uma visão moderna dos adorados contos dos irmãos Grimm, cruzando algumas histórias e explorando as consequências dos desejos e das buscas dos personagens. Na trama, um padeiro e sua mulher (James Corden e Emily Blunt) vivem em um vilarejo, onde lidam com vários nomes famosos, como Chapeuzinho Vermelho (Lila Crawford). Um dia, eles recebem a visita da bruxa (Meryl Streep), que é sua vizinha. Na ocasião, ela avisa que lançou um feitiço para que o casal não tenha filhos, como castigo por algo feito pelo pai do padeiro, décadas atrás. Ao mesmo tempo, a bruxa avisa que o feitiço pode ser desfeito caso eles lhe tragam quatro objetos: um capuz vermelho como sangue, cabelo amarelo como espiga de milho, um sapato dourado como ouro e uma vaca branca como o leite. Entretanto, eles têm apenas três dias para encontrar tudo, caso contrário o feitiço será eterno. Decididos a cumprir o objetivo, o padeiro e sua esposa adentram na floresta.

Caminhos da Floresta começa com todas as questões muito bem colocada. Com tantos personagens envolvidos, a narrativa vai aos poucos apresentando cada um dentro do seu contexto, elaborando uma introdução necessária para todos os acontecimentos que virão. Entretanto, nem tudo é como o esperado. O decorrer acaba encontrando alguns erros mesmo com a presença de um narrador, forçando algumas presenças para acontecimentos, quando poderia utilizar a ferramenta de uma melhor forma para explicar os caminhos e decisões dos nomes envolvidos. E assim, todo o roteiro acaba sofrendo por conta de tal situação. Enquanto isso, Rob Marshall acerta na sua direção ao retirar sequências coreografadas e deixando o contexto mais cotidiano, mas erra quando não consegue fazer com que o humor seja aplicado de uma melhor forma no projeto.

É claro, fotografia, figurino, ambientação e trilha sonora são os aspectos que encontram um grande destaque dentro de toda a proposta apresentada. A primeira sabe exatamente como guiar o espectador e o que mostrar, enquanto os figurinos são muito bem empregados e diferenciados em cada personagem. Além disso, a trilha sonora se mostra completamente condizente com toda a ambientação que é apresentada de forma perfeita, ainda mais no cenário da floresta que foi realmente construído em estúdio.

Infelizmente não é apenas com questões envolvendo roteiro e direção que o título encontra suas dificuldades. Tendo muitos envolvidos, parte do elenco também não consegue se envolver como  deveria em sua interpretação. Chris Pine (Príncipe) parece sempre forçado para mostrar um príncipe encantado, assim como Mackenzie Mauzy (Rapunzel) e Anna Kendrick (Cinderela) não conseguem chamar atenção para suas personagens. Johnny Depp? Bem, infelizmente, não se tem nem o que comentar. Na verdade, Lilla Crawford (Chapeuzinho Vermelho), Daniel Huttlestone (João), James Corden (Padeiro) e Emily Blunt (A Mulher do Padeiro) são aqueles que conseguem passar uma maior convicção em suas interpretações, seguidos, é claro, de Meryl Streep. Não é uma das melhores atuações da atriz, mas é sim ela quem salva todo o andamento do projeto caracterização e desenvolvimento como Bruxa. Quase certo que não ganhe o Oscar, mas Meryl sempre consegue destaque.

- publicidade-

 Caminhos da Floresta é o tipo de filme que acaba desandando. As histórias envolvidas já são conhecidas, as ligações tinham tudo para funcionar, mas após os primeiros 20, 30 minutos, tudo vai ficando cansativo. Detalhes são mudados dos contos isolados para apresentar uma ligação, mas eles também não conseguem fazer um encaixe perfeito. O narrador também poderia fazer isso de uma forma melhor, mas não é bem utilizado. Os números musicais também vão ficando mais dramáticos, por vezes até confusos em seu sentido. E com isso, seguindo todos esses pequenos erros, o filme vai ficando cansativo e nem a reviravolta envolvendo a participação da gigante consegue reconquistar o público. Infelizmente, a adaptação consegue apenas contar uma história, mas sem cumprir o seu maior objetivo: divertir e encantar.

Classificação:
Regular

- publicidade -
- publicidade -
-publicidade-

Notícias relacionadas

CAMINHOS DA FLORESTA | CRÍTICA - OSCAR 2015
Marco Victor
Fundador do Jornada Geek e formado em Jornalismo, mas também um grande amante de filmes e antigo frequentador de locadoras. Outras paixões também existentes estão em Séries de TV, HQs, Games e Música. Considera Sons of Anarchy algo inesquecível ao lado de 24 Horas, Vikings e The Big Bang Theory. Banda preferida? São muitas, mas Slipknot ocupa um lugar especial. Espera ansioso por qualquer filme de herói, conseguindo viver em um mundo em que você possa amar Marvel e DC apesar de ter no Batman e As Tartarugas Ninja como os seus heróis favoritos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Siga Nossas Redes Sociais

545,305FansCurtir
31,529SeguidoresSeguir
20SeguidoresSeguir
0SeguidoresSeguir
20,475SeguidoresSeguir
57InscritosInscrever
publicidade: CAMINHOS DA FLORESTA | CRÍTICA - OSCAR 2015

Últimas Postagens

Virgin River | Assista ao trailer completo da 2ª temporada

Com o seu lançamento anteriormente confirmado para acontecer em 27 de novembro através da lista de novidades da Netflix, agora a 2ª temporada de...

Pacificador | Steve Agee entra para o elenco da série do HBO Max

Com o seu desenvolvimento já confirmado há alguns dias, agora a série Pacificador, que será um projeto derivado do filme Esquadrão Suicida, voltou a...

Amor Com Data Marcada | Saiba de onde você conhece o elenco do filme

Algum tempo após ter o seu desenvolvimento anunciado, o filme Amor Com Data Marcada já está atualmente disponível na Netflix. E claro, alguns nomes são...

Xbox Series X|S sofrem redução de preço antes do lançamento no Brasil

Após a confirmação da sua data de lançamento no Brasil, os consoles Xbox Series X e Xbox Series S voltaram a ganhar novidades. E...

Novidades no Amazon Prime: Confira a lista com as estreias de novembro

Com o mês de outubro chegando ao seu final, o serviço de streaming Amazon Prime Vídeo aproveitou para revelar suas novidades para as próximas...

PS Plus e Xbox Live Gold: Saiba quais serão os jogos gratuitos de novembro de 2020

Seguindo em frente com a sua tradição mensal, os serviços de assinatura PS Plus e Xbox Live Gold voltaram a ganhar novidades recentemente. E claro, o assunto...

Halloween Kills ganha novo teaser reforçando a estreia em 2021

Com o seu lançamento anteriormente já adiado para outubro de 2021, agora o novo filme da franquia Halloween, intitulado simplesmente como Halloween Kills, teve...

The CW | Temporadas de The Flash, Batwoman, Riverdale e mais séries ganham data de estreia

Com suas temporadas encurtadas recentemente por conta da pandemia de coronavírus, séries como The Flash, além de todas as séries do Arrowverse, e Riverdale tiveram seus lançamentos...