Você 1ª temporada | Pipoca e Netflix

Temporada completa já está disponível na Netflix.

publicidade:

Classificação:

Nota ótimo

Pôster em inglês da série Você
Divulgação

2018 foi um ano realmente interessante para os assinantes da Netflix, já que claramente tivemos uma crescente nos projetos originais da empresa. Mais filmes e séries originais foram lançados, nem sempre bons, mas ficou claro a expansão também para projetos de outros países, principalmente europeus. Ainda assim, também tivemos os projetos de grandes destaque, como foi o caso de A Maldição da Residência Hill, que dominou a internet por um tempo. E agora, visando um destaque parecido, a primeira temporada de “Você” foi lançada no Brasil. 

Na trama, Joe Goldberg (Penn Badgley) é um brilhante e obsessivo nova-iorquino que trabalha em uma livraria. É então que ele um dia conhece Beck (Elizabeth Lail), uma jovem pela qual fica completamente obcecado, passando a explorar  as tecnologias do mundo moderno para conquistá-la, tornando-se assim um verdadeiro stalker. Contudo, no caminho para atingir o seu objetivo ele conhece Peach (Shay Mitchell), a melhor amiga de Beck que suspeita cada vez mais dos seus passos.  Ainda assim, Joe não vai medir esforços para eliminar qualquer obstáculo em seu caminho — mesmo que isso signifique que ele precise ter atitudes extremas.

 Desde a sua primeira cena, já temos aqui um ponto interessante para “Você”: a narrativa sendo feita através da única visão de Joe. Tal ponto já chegou a ser abordado em outros títulos no cinema e televisão, mas aqui ela chama atenção justamente por conta da sua temática, tornando-se até mesmo um ponto alto da sua narrativa por conta da visão cada vez mais perturbadora que o seu protagonista vai construindo através das cenas, elementos e episódios que estão por vir.

Tal ponto ainda é facilmente somado com outros diversos elementos da série, já que ela não busca explorar uma Nova-York exuberante e gigantesca, aproveitando para ter um foco mais intimista dentro dos locais em que seus principais personagens frequentam. Ou melhor, através deles de alguma forma. Tudo parece ser muito diferente no programa por conta disso. Seja na presença de um coadjuvante, de Joe, ou Beck, tudo parece ser construído através de uma visão diferenciada, utilizando também a fotografia para tal desenvolvimento através de cenas comuns, ou até mesmo introduções e chegadas de personagens. É sempre de uma forma diferente, acabando por se tornar uma das assinaturas ao longo do seu desenvolvimento.

E mesmo com todos os detalhes necessários sendo trabalhados desde a primeira cena, ainda é o elenco da produção que consegue criar todo o complemento necessário para ele prender o seu espectador. Penn Badgley está de fato incrível no papel de Joe, conseguindo passar tudo aquilo que é necessário sobre a construção do seu personagem, seja através do desejo, frustrações, objetivos e até atitudes doentias. A público acaba criando um interesse para ver o resultado de tudo, mas não consegue na verdade gostar daquilo que está vendo ou nas possibilidades que pode acabar chegando. E isso ainda se agrava mais, já que vai sendo revelado aos poucos certos fatos sobre seu passado.

Imagem da série Você com Beck e Joe na livraria
Divulgação

Enquanto isso, a personagem de Elizabeth Lail não ajuda. Beck não é um simples livro aberto, mas sim alguém cercada por segredos. E o mais interessante é que Lail consegue passar isso…apesar de em certos momentos conseguir passar uma credibilidade no que está falando, a atuação da atriz vai ficando cada vez mais interessante também no aspecto de que vai mostrando um pouco mais ao público da sua personagem. São mentiras cercando o seu cotidiano, sejam simples ou complexas. É alguém que em certos momentos se torna inocente, mas ainda assim que não consegue prender a sua confiança. E para completar, ainda temos Peach, sua melhor amiga, interpretada por Shay Mitchell. 

Sendo esnobe, rica, prepotente e controladora, Peach é aquele tipo de personagem que qualquer um ama odiar. Ela é a pedra no sapato do protagonista, com Mitchell entregando uma atuação brilhante e nojenta quando necessário. É a que você acaba gostando mais dos três principais personagens da trama, que parece ditar um ritmo necessário para os acontecimentos, mas que também é impossível de desejar que tenha um final feliz.

E é justamente por conta do perfil destes três personagens perturbados que Você consegue funcionar extremamente bem. A questão é que nenhum deles é burro, mas ainda assim cometem erros e escondem segredos que vão chamando cada vez mais atenção do espectador ao longo de cada um dos capítulos que vão sendo mostrados através de visões totalmente distorcidas e relações doentias.

A produção vai ficando ainda cada vez mais intensa com as desconfianças e descobertas, traçando assim atitudes também desesperadas de seus personagens. E é assim que o desenvolvimento vai acontecendo em sua crescente. E quando você acha que tudo vai caminhar normalmente, ainda temos outra reviravolta. Mas, acima de tudo, a narrativa funciona pelo fato de abordar situações comuns na vida de diversas pessoas, mas com extremidades dentro delas. Todos são extremistas em algum momento dentro do que é mostrado, fazendo assim como que os seus traços sejam mostrados claramente.

O pior de tudo é que “Você” trabalha todos os elementos ainda de uma forma muito atual, mostrando redes sociais e abordando a fragilidade de invadir a vida das pessoas nos dias atuais. É um thriller psicológico que não te faz torcer por qualquer personagem, expondo verdades dolorosas das suas decisões e vidas, mas acima de tudo te mostra as fragilidades que existem nos tempos atuais através de uma trama extremamente brilhante e muito bem elaborada nos mínimos detalhes. Que venha a 2ª temporada, ainda mais por conta da grande reviravolta que aguarda cada espectador em sua última cena.

Confira o trailer:

Confira também: Você | Netflix assumirá a produção da série em sua 2ª temporada

Não deixe de acompanhar todas as notícias diárias sobre filmes, séries e games do Jornada Geek no facebooktwitter e instagram.

Comentários: