-publicidade-

ESPLENDOR NO SILÊNCIO | KINOS

Apichatpong Weerasethakul pode ser um nome pouco sedutor pra iniciar um texto, quase um trava-língua, mas é do tailandês a direção de Cemetary of splendour, poema cinematográfico que, pelas metáforas políticas, provavelmente não será exibido em seu país. A Tailândia vive uma ditadura e a liberdade é cerceada em diversas formas, como a proibição de reuniões com mais de quatro pessoas (amigos com filhos pra jantar? Esquece) ou a autorização para que qualquer pessoa denuncie outra, sem motivo aparente. O Brasil já viveu isso e, mesmo que algumas placas de passeatas mostrem o problema de memória, sabe-se não ser agradável.

076 - Cemetary of splendour 2

Em uma escola foi improvisado um hospital para acolher soldados acometidos por um mal súbito: sono. De repente eles dormem, assim mesmo, no meio de uma frase, do nada. É como se um interruptor fosse desligado e eles dormem não se pode estimar por quanto tempo. Uma mulher, casada com um soldado aposentado americano, toma para si a missão de acordar um dos soldados tailandeses que dorme na escola e dedica todo o tempo que tem para cuidar dele. E ele acorda. E dorme. E acorda de novo. Nesse ciclo, ela conversa com ele sobre o mundo e a vida, conversas habituais de dois desconhecidos, por vezes levando a perguntas capazes de gerar longas pausas para refletir, em outras, bem, interrompidas.

Uma outra moça, por vezes representação de uma divindade, conta que no solo em que foi construída a escola esconde-se um antigo cemitério de reis. Ao entrar no sonho dos soldados, a jovem percebe que os antigos reis usam a energia dos que dormem sobre eles. Eis uma das mais instigantes metáforas da história: governantes que usam a energia de um povo dormente para se manter ativo, a recorrência dos governos autoritários.

Corajoso, Weerasethakul conta essa história e, perguntado sobre os problemas que isso pode causar, responde a Cyril Béghin e Jean-Philippe Tésse, em entrevista publicada na edição 714 da revista Cahiers du Cinéma:

‘‘Quando Itt [soldado que acorda] diz que não vê seu futuro no exército, que ele prefere lavar carros, isso pode me causar incômodo. É claramente absurdo, mas os militares não consideram o cinema como propaganda. Muita gente foi convocada para o exército pelo que chamam de ‘ajustamento de atitude’. Eles te mandam assinar um papel no qual você promete não ter nenhuma atividade política, não participar de grupos, não escrever contra o regime, e se você não assinar eles te prendem, te processam e congelam sua conta bancária. Eles acreditam no medo. É a cada dia mais absurdo. 1984 de George Orwell foi proibido. São detalhes que podem parecer ridículos para um ocidental, mas é uma verdadeira opressão. O que é ainda mais assustador é que muita gente aprova essas medidas e prefere o exército.”

- publicidade-

Ser poético e político é possível, quando não necessário. O principal elemento narrativo de Cemetary of splendour é o silêncio. Ele se manifesta em longas pausas nos diálogos, em que personagens apenas se olham ou nem isso; aprece nas tomadas sem movimento (se não me falha a memória, a câmera se move duas vezes); ele também faz parte de sequências ruidosas, como no início, quando uma retroescavadeira cava e cava um terreno e nada mais acontece, pois não se sabe se ela busca ou esconde algo. A mais longa tomada se dá no hospital, com várias camas organizadas de noite, na quietude do sono dos soldados afetados, e o único movimento é a troca de luz, um tubo luminoso que emana diferentes cores conforme o ambiente do sono que toma os homens.

O ritmo faz lembrar outro poema cinematográfico, desses que, como Splendour, faz sair do cinema sem palavras e depois os dias trazem mais do filme do que as poucas horas foram capazes de dar. Poesia, filme sul-coreano de Chang-dong Lee, mostra a avó que cuida de um neto rebelde e descobre num curso de poesia a melhor forma de se expressar para o mundo. E como aprende a lidar com a poesia, aprende a lidar com o mundo. Os dois filmes têm ritmos próprios e o espectador ocidental pode não conseguir acompanhá-los, ou mesmo refletir sobre eles na saída ou nos dias seguintes. Talvez por estarem dormindo sem saber.

- publicidade -
- publicidade -
-publicidade-

Notícias relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Siga Nossas Redes Sociais

543,070FansCurtir
31,529SeguidoresSeguir
20SeguidoresSeguir
0SeguidoresSeguir
20,467SeguidoresSeguir
57InscritosInscrever
publicidade: ESPLENDOR NO SILÊNCIO | KINOS

Últimas Postagens

Heart of Stone | Gal Gadot vai estrelar na franquia

Começando a ganhar destaque na mídia, a franquia Heart of Stone é alvo de novidades. E assim, a mais recente envolve o anúncio da sua...

Firefly Lane | Série ganhar teaser e data de estreia

Dando início a sua campanha promocional através de vídeos, a série Firefly Lane é alvo de destaque na mídia. E assim, a produção teve seu...

Warner vai lançar todos os seus filmes de 2021 no HBO Max simultaneamente

Após um grande período de adiamentos por conta da pandemia de Coronavírus, aos poucos os estúdios vão elaborando novos planejamentos de lançamentos. E entre...

O Senhor dos Anéis | Amazon anuncia novos nomes para o elenco da série

Com a sua produção já tendo sido retomada há semanas nos na Nova Zelândia, agora a série O Senhor dos Anéis aos poucos vai...

A Escavação | Assista ao trailer do filme com Ralph Fiennes

Com o seu desenvolvimento já confirmado há algum tempo, agora o filme A Escavação, estrelado por Ralph Fiennes e Carey Mulligan, teve o seu...