EM RITMO DE FUGA (BABY DRIVER) | CRÍTICA

Baby Driver chega em agosto nos cinemas americanos.

publicidade:

Classificação:

Nota ótimo

Poster de Em Ritmo de Fulga (Baby Driver)
Divulgação

Mesmo com grandes franquias e produções, os filmes independentes de Hollywood continuam tendo seu destaque na indústria e na mídia. E assim, dentre tantos novos projetos, pode-se perceber a influência de grandes sucessos do passado em novas histórias que são apresentadas. E agora, aproveitando essa abordagem, o filme Em Ritmo de Fuga (Baby Driver) chega para apresentar uma boa surpresa e nostalgia aos cinéfilos de plantão.

Na trama, um jovem piloto de fuga (Ansel Elgort) confia na batida de sua trilha sonora pessoal para ser o melhor no que faz. Quando ele conhece a garota dos seus sonhos (Lily James), Baby vê uma chance de abandonar sua vida criminosa e fazer uma fuga limpa. Mas após ser coagido a trabalhar para um chefe do crime (Kevin Spacey), ele deve fugir quando um assalto dá errado e ameaça sua vida, amor e liberdade.

É impossível negar que o roteiro de Edgar Wright está bem desenvolvido. Apesar de contar com o cliché universal de uma jornada do herói como seu fio condutor, o roteiro e a direção do longa se destacam por ter uma trama trabalhada de maneira única, além de apresentar uma boa e equilibrada dose de comédia, drama e ação policial. Em seu novo filme, Wright traz diálogos que constroem os personagens ao longo da história, fazendo com que o espectador crie uma curiosidade em relação ao que levou cada um dos indivíduos apresentados para sua atual situação. Além disso, é perceptível que Baby Driver teve como referências grandes sucessos de Hollywood – como a franquia Velozes e Furiosos, À Prova da Morte (de Quentin Tarantino), Taxi Driver (de Martin Scorsese) e Assassinos Por Natureza (de Oliver Stone).

Contando com nomes conhecidos, Baby Driver traz Ansel Elgort (Baby), Kevin Spacey (Doc), Jamie Foxx (Bats)Jon Hamm (Buddy)Jon Bernthal (Griff)Lily James (Deborah) Eiza Gonzáles (Darling) em um elenco não tão usual. A interação entre os atores é convincente e não forçada, o que faz com que o espectador não questione o que ocorre na tela e sinta que, mesmo com um aprofundamento mais lento, exista um relacionamento entre os personagens (principalmente entre Spacey Elgort).

Ansel Elgort traz em sua performance um garoto de bom coração, apaixonado por música e carros. Não é difícil estabelecer uma conexão com seu personagem – Baby. Com isso, quando se menos espera, o espectador já estará torcendo para o jovem prodígio. Apesar de não ter muitas falas, o ator consegue transmitir muitas de suas emoções de maneira simples e o uso das músicas durante o longa ajudam a mostrar um pouco do que se passa nos pensamentos do personagem. As motivações de Baby são exploradas sem muitos exageros, e o espectador terá uma surpresa agradável ao ver a interação do mesmo com seu pai adotivo – Joseph.

Além de seu protagonista, os personagens DocBats Buddy são aqueles que tem mais detalhes de sua história compartilhados. Já DeborahDarling não são muito exploradas. Vale destacar que o relacionamento entre os personagens DarlingBuddy parece ter como referência os protagonistas de Assassinos Por Natureza – Mallory e Mickey Knox.

Em sua fotografia, o filme de Wright traz uma estética retirada diretamente de filmes lançados entre os anos 70 e 90. O diretor não tem medo de abusar de planos ousados, e o ritmo criado para as cenas de perseguição mantém o espectador na ponta de sua cadeira, torcendo para o protagonista. Aqui, o longa mais uma vez apresenta outra referência para suas cenas de perseguição: a franquia Velozes e Furiosos.

Vale destacar que a trilha musical do longa é o grande condutor de ritmo e também de sua narrativa. Assim como utilizada para o personagem Baby, a música constrói um ambiente sonoro que conduz os sentimentos e recepção do espectador em relação ao que ocorre na tela, podendo ser considerada como um personagem secundário na trama.

Por fim, Baby Driver é um filme que se utiliza de grandes referencias para re-apresentar o gênero ao público. Essa mistura faz com que Wright entregue um projeto único que a tempos não era visto no cinema. Para aqueles que são amantes do tema, Baby Driver é um título que vale a pena ser assistido.

Aproveite e assista ao trailer do longa.

Ansel Elgort, Kevin Spacey, Jamie Foxx, Jon HammJon BernthalLily James Eiza Gonzáles estão no elenco do filme, enquanto  Edgar Wright (Scott Pilgrim Contra O Mundo, Chumbo Grosso) assume a direção e roteiro.

Baby Driver estreia em 11 de agosto nos EUA.

Não deixe de acompanhar todas as novidades e atualizações diárias do Jornada Geek no facebooktwitter e instagram.

Comentários: